19:17 | Author: Mundo Zazen


Existem muitos bons métodos de concentração que nos foram transmitidos por nossos predecessores no Zen. O mais fácil para principiantes é a contagem da inspiração e da expiração. O valor particular do exercício está no fato de que todo o raciocínio é excluído e todo o pensamento discriminativo posto em repouso. Assim acalmadas as ondas do pensamento, a mente consegue gradualmente seu objetivo. Para começar, contem tanto a inspiração como a expiração. Quando inspirarem concentrem-se no "um"; quando expirarem, no "dois", e assim por diante até dez. Então voltem para o "um" e mais uma vez conte até dez, continuando como antes. É tão simples, assim.

Como antes salientei, os pensamentos transitórios que flutuam naturalmente na mente, não são em si impedimento. Isto, infelizmente, não é comumente reconhecido. Mesmo dentre os japoneses que já estudaram e praticaram o Zen por cinco ou mais anos, existem muitos que interpretam mal a prática Zen, como uma paralisação da consciência. Existe, realmente, uma forma de zazen que tem o objetivo de conseguir tal coisa, mas não é o zazen tradicional do Zen-budismo. Vocês devem compreender que, por mais atentos que estejam na contagem da respiração, ainda perceberão qual é o seu campo visual, uma vez que seus olhos estão abertos, e ouvirão os sons normais a sua volta, pois seus ouvidos não estão tampados. Uma vez que o seu cérebro, do mesmo modo, não está adormecido, várias formas de pensamento voejam por sua mente. Eles, porém, não prejudicarão nem diminuirão a eficiência do zazen, a não ser que, avaliando-os como "bons" vocês se agarrem a eles, ou decidindo que são "maus" procurem impedi-los ou eliminá-los. Não devem encarar quaisquer percepções ou sensações como um obstáculo ao zazen, nem devem persegui-las. Dou ênfase a isto. "Perseguir" significa simplesmente que, no ato de ver, seu olhar fixo demora-se em objetos; no ato de escutar, sua atenção guarda os sons; e no processo de pensar, sua mente adere a idéias. Se vocês se permitem distrair-se com estas coisas, sua concentração na contagem das respirações ficará impedida.

Recapitulando: deixem que pensamentos passageiros aflorem e desapareçam como quiserem, não se distraiam com eles e nem tentem afastá-los, mas simplesmente concentrem toda a sua energia na contagem de suas inspirações e expirações ao respirar.

Terminando um período sentado, não se levantem, bruscamente, mas comecem balançando-se de um lado para o outro, primeiro em pequenos, depois em amplos movimentos, por mais ou menos meia dúzia de vezes. Poderão observar que seus movimentos neste exercício são o inverso daqueles que fizeram no princípio, para começar o zazen.

Yasutani Hakunn
Texto extraído de
"Os três pilares do Zen"
de Philip Kapleau

Category: |
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.
Bookmark and Share

0 comentários:

:)) ;)) ;;) :D ;) :p :(( :) :( :X =(( :-o :-/ :-* :| 8-} :)] ~x( :-t b-( :-L x( =))

Postar um comentário

Página Anterior Próxima Página Home
subir